Deltan Dallagnol questiona Moraes: "Estava em Paris e agora, sob suspeição no caso do 8 de Janeiro

Ministro afirmou que os radicais do 8 de janeiro planejjavam enforcá-lo

Deltan Dallagnol questiona Moraes:

O ex-deputado e procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, opinou em seu X a respeito das recentes declarações do ministro do STF.

  • O ministro Alexandre de Moraes, em entrevista ao O Globo, afirmou que havia pelo menos três planos para prendê-lo e assassiná-lo no 8 de janeiro (apesar de estar em Paris nesse dia), mas não revelou os nomes das pessoas que teriam feito esse plano nem apresentou provas.

Diante das revelações do ministro, algumas perguntas pertinentes que infelizmente não foram feitas são:

  • Quem planejou matar o ministro e quais são as provas desse plano?
  • Essas pessoas já foram denunciadas pela PGR e condenadas nos julgamentos do 8 de janeiro? Por que não soubemos dessas pessoas até agora?
  • Se o ministro era a vítima desses crimes, ele não deveria se declarar suspeito de julgar quem queria matá-lo?
  • Essas novas informações não colocam o ministro sob suspeição para julgar todos os réus do 8 de janeiro, já que, segundo entendimento do próprio STF, todos estavam ali em turba com um único objetivo, de dar um golpe?
  • Como o ministro responde às críticas de que os réus do 8 de janeiro estão sofrendo abusos judiciais, como violação do juiz natural, ausência de conexão com pessoas com foro privilegiado, prisões preventivas alongadas, ausência de provas e de individualização de condutas e penas exageradas?
  • Aliás, até hoje o STF não apresentou uma única pessoa com foro privilegiado que tenha participado dos atos do 8 de janeiro, a fim de justificar a conexão com os demais réus sem foro privilegiado. O ministro saberia dizer quem são as pessoas com foro privilegiado que atraem a competência da corte para julgar os demais réus do 8 de janeiro?
  • Por que o ministro não apreciou em tempo o pedido de soltura de Clezão, que tinha parecer favorável da PGR? Como responde às críticas de que a demora para decidir acarretou na morte de Clezão?
  • Por que, logo após a morte de Clezão, o ministro soltou vários réus presos do 8 de janeiro que também tinham parecer favorável de soltura da PGR? Isso não é uma prova de que essas pessoas ficaram presas de forma excessiva e ilegal?
  • Quando serão encerrados os inquéritos ilegais que tramitam no Supremo há mais de 5 anos? Como o ministro justifica a existência dos inquéritos após o fim dos prazos legais?
  • E por fim, dar entrevistas sobre casos em julgamento não gera a suspeição do juiz? Como o ministro responde a essa questão?